Resenha: O Poder da Espada, Joe Abercrombie

O Poder da Espada
A Primeira Lei #01
Joe Abercrobie
Skoob
★★☆☆☆

Sand dan Glokta é um carrasco implacável a serviço da Inquisição de Sua Majestade. Nas mãos dele, os supostos traidores da Coroa admitem crimes, apontam comparsas e assinam confissões – sejam eles culpados ou não. Por ironia, Glokta é um ex-prisioneiro de guerra que passou dois anos sob tortura.

Mas isso nunca teria acontecido se dependesse de Logen Nove Dedos. Ele jamais deixaria um inimigo viver tanto tempo. Só que isso foi antes. Agora ele está decidido a mudar. Não quer ser lembrado apenas por seus feitos cruéis e pelos muitos inimigos que se alegrarão com sua morte.

Já a felicidade do jovem e mulherengo Jezal dan Luthar seria alcançar fama e glória vencendo o Campeonato de esgrima, para depois ser recompensado com um alto cargo no governo que lhe permitisse jamais ter um dia de trabalho pesado na vida. Mas há uma guerra iminente e ele pode ser convocado a qualquer momento. Luthar sabe que, nos campos do Norte gelado, o embate segue regras muito menos civilizadas que as do esporte.

Enquanto a União mobiliza seus exércitos para combater os inimigos externos, internamente se formam conspirações sanguinárias e um homem se apresenta como o lendário Bayaz, o Primeiro dos Magos, retornando do exílio depois de séculos. Quem quer que ele seja, sua presença tornará as vidas de Glokta, Jezal e Logen muito mais difíceis. Agora a linha que separa o herói do vilão pode ficar tênue demais.

Esse livro estava acumulando pó aqui em casa há quase um ano. Lembro de tê-lo comprado porque falavam muito bem dele e do escritor, o Abercrombie. Aliás, eu via “Abercrombie” sendo citado a torto e a direito como praticamente um gênero novo: uma fantasia mais realista, sombria e tão crua que fazia alguns leitores se sentirem até desconfortáveis. Quando o comecei a ler, porém, há alguns meses atrás, não passei da página 150 e o coloquei de lado por outro livro qualquer. Não foi exatamente porque o achei ruim (lembro-me de ter até mencionado para vocês aqui [do tumblr, já que o blog foi criado bem depois dessa época] que não o tinha achado ruim, mas que também não tinha me sentido muito disposta a continuar), então resolvi dar a Abercrombie uma nova chance de me mostrar essa fantasia sombria e, segundo muitos, maravilhosa.

Dessa vez não precisei nem chegar à página 100 para perceber que meu santo provavelmente não bate com o do Abercrombie.

Livro, me peguei dizendo para o dito cujo. Livro, você vai me fazer parecer a leitora chata mais uma vez. Você é supostamente um novo clássico da literatura fantástica, o debut de uma nova voz do gênero. Por que você não é bom?Tinha esperança de que as coisas iriam melhorar, então continuei, mas lá pela página 250 eu já estava prestes a arrancar meus olhos. Por sua culpa, livro, pensei, vou acabar sendo a do contra de novo. De novo!

Dito e feito. Aqui estou eu, sendo a do contra de novo. A essa altura do campeonato eu nem me sinto mais culpada em não gostar de algo tão bem falado, mas não gostar tantas vezes de livros considerados tão bons vai acabar me rendendo fama de megera. Well.

¯_(ツ)_/¯

Enfim, tive tantos problemas com esse livro que nem sei por onde começar, tantos que acho que essa vai ser uma das resenhas mais longas que já fiz, então vamos por partes.

Primeiro, a escrita. Nas descrições e nas cenas de ação (Abercrombie é tão bem falado para cenas de ação que se elas não fossem boas eu perderia minha fé no GoodReads) ela era até mesmo ótima, e é exatamente por isso que não dei apenas uma estrela para esse livro. A segunda está aí apenas por esses poucos momentos em que pude ler sem revirar os olhos. Mas os diálogos… Gente, os diálogos foram horríveis. Eu nunca vou entender porque usar tantas exclamações o tempo todo (na verdade eu entendo. Acho que já comentei isso em uma resenha de O Espadachim de Carvão, mas exclamações em excesso, itálicos em demasia e caps lock a todo momento são atalhos, sinais de que o autor não quis gastar tempo ou esforço caracterizando o personagem e/ou descrevendo a cena, então né, lazy writing oops), porque o Abercrombie não passa uma fala sem usar pelo menos três. Passei o livro todo imaginando personagens se esgoelando uns pros outros em situações em que isso não fazia o menor sentido. E isso irrita demais! Olha só! Como parece que estou desesperada te gritando! Quando na verdade não há motivo algum para isso! Uma exclamação de vez em quando é suficiente! Alguém por favor diga isso ao Abercrombie!

Segundo, esse livro não tem propósito nenhum. Nenhummesmo.

Acho que já mencionei aqui no tumblr [no blog não falei nada], mas logo quando comecei a procurar dicas de escrita, isso há uns dois anos atrás, uma que eu vi sendo repetida a todo momento foi a que dizia que o plot de um livro é feito, entre outras coisas, pelos objetivos dos personagens principais, e que fazer personagens que são apenas guiados pelo plot de um lado para o outro é receita para o fracasso. O Poder da Espada, no entanto, é uma obra cheia desses personagens passivos (e faz sucesso, né), e por isso mesmo tem um dos plots mais vagos e soltos que eu já vi na vida. Os personagens não querem nada e quando querem não é mais do que por dois capítulos, que é basicamente o tempo que eles levam para alcançar esse objetivo. Vejamos: Jezal quer, supostamente, vencer o campeonato lá, certo? Mas ele não quer de verdade. Quem quer é o pai dele, quem exige é a sociedade em que ele vive, e não ele. E quando ele passa a querer (graças a um plot device pra lá de ridículo, vale frisar), é por apenas um ou dois capítulos e acabou. O Glokta só faz alguma coisa porque seus superiores o mandam (salvo uma única ocasião, que é logo deixada de lado depois), ele literalmente não quer nada e só responde as ordens de Glokta, faça isso, Glokta, faça aquilo lá, etc, etc, etc. O Logen então é ainda pior; ele escapa dos shankas e encontra o Primeiro dos Magos, que estava procurando por ele, e depois passa a segui-lo por aí sem sequer perguntar o porquê do Primeiro dos Magos querer levar ele para sei lá onde. Joe Abercrombie, isso é conveniente demais, pelo amor de Deus.

Esse livro só serviu para colocar os personagens no lugar certo para o volume dois, onde a história aparentemente começa de verdade, e é por isso que O Poder da Espada não passa de um grande prólogo. Um grande, tedioso e irritante prólogo. Teria sido muito mais fácil resumir o pseudo-enredo todo em dois parágrafos e lançar o volume 2 como 1. Garanto que teria me poupado muita coisa.

Terceiro, o livro tem uma plotline de romance que é basicamente um YA desses que todo mundo odeia, só que para garotos.

Conheçamos nosso casal: Jezal, um nobre arrogante, mimado e um babaca de marca maior que se acha a última bolacha do pacote, popular com as garotas, mas que é um espadachim habilidoso e por isso todo mundo meio que tolera ele, já que se espera que ele vença o tal campeonato e consiga uma grande promoção depois. Isso é literalmente tudo que se pode dizer sobre ele (cadê os personagens complexos do Abercrombie, hm?). Deixa eu YAzificar (?) ele para você: Jezal, um garoto rico arrogante, mimado e um babaca de marca maior que se acha a última bolacha do pacote, popular com as garotas, mas que é um ótimo jogador de futebol/baseball/whatever e por isso todo mundo meio que tolera ele, já que se espera que ele ganhe o campeonato de futebol/baseball/whatever e ganhe uma bolsa para alguma faculdade famosa por aí.

O que o Jezal é em ambos universos? O garanhão popular com uma personalidade horrível que dorme com muitas garotas e acha que amor é uma besteira, certo?

Agora a outra metade: Ardee, uma plebeia do norte distante, que ao contrário de todas as damas da capital, fala o que pensa e é inteligente. Além disso, obviamente não é um palito como as já citadas damas da capital, mas tem um corpo lindo e é, no geral, estonteante. YAzificando: Ardee, uma garota do interior, que ao contrário das meninas populares não é “fútil” e nem burra. Além disso, obviamente não é uma loira oxigenada e nem passa dez horas por dia em uma academia e nem se esforça o máximo para pegar aquele bronzeado, mas tem um corpo lindo e é, no geral, estonteante.

O que Ardee é em ambos universos? A famosa Garota Que Não é Como Todas As Outras e Que Por Isso Vale a Pena, oras. Para aqueles que não leem YA, isso é basicamente toda protagonista do gênero. Tada.

E o que acontece quando você junta o Garoto Garanhão Rico com a Garota Que Não É Como Todas As Outras?

Ele muda!

De uma hora para outra, todas aquelas garotas com quem ele fazia a farra antes não têm mais graça. Agora elas são pálidas se em comparação com a Garota Que Não é Como Todas as Outras, fúteis e sem sal, sem brilho. O amor passa a existir! (╮(. ❛ ᴗ ❛.)╭) O Garoto Garanhão Rico se apaixona tanto por ela que até mesmo ouvir outros caras falarem coisas indecentes sobre ela, como ele fez sua vida toda sobre outras garotas, o irrita a ponto de fazê-lo explodir de raiva! Ele se torna basicamente um cachorro babão atrás dela, porque é isso que o amor faz!

Romântico, não é?

Ora, faça-me o favor. (;¬_¬)

Enfim, quarto, O Poder da Espada é cheio de clichés. Sim, clichés. Por favor espere um minuto antes de me jogar pedra, certo? Certo.

Antigamente, clichés no gênero de fantasia eram bem simples: O mestre, geralmente um mago, sábio e velho. O guerreiro nobre e honrado. A donzela em perigo. Os elfos como seres superiores. Todos os nobres sendo cavaleiros incríveis e bons, ajudando assim os pobres. O escolhido, geralmente um garoto pobre e/ou de fazenda. A profecia. O Lorde das Trevas/Escuridão. Blá blá blá.

Mas, surpresa, isso mudou. E acho que podemos culpar o Martin por essa mudança; ele tem algum crédito, ao menos.

Agora os clichés são outros: a nobreza toda não presta. O mundo é ruim, muito ruim, e usar pseudo-violência o tempo todo é o jeito mais fail eficiente de mostrar isso. A guria agora pode até ser uma donzela, mas tem pseudo-personalidade (lê-se: não é completamente dócil). Quando não é uma donzela, ela é completamente experiente e controla o herói facilmente, transformando-o no famoso cachorro babão. Quase nunca há mestre mais; os personagens já são todos bem crescidinhos e são guerreiros/mercenários formidáveis com um passado negro e sombrio. Bonus point se eles já tiverem matado muita gente. Bonus point em dobro se agora eles se arrependem por isso. Os pobres, quando não mercenários/ladrões, são gente decente e honesta castigada pelos maus tratos da nobreza. Agora todo mundo tem falhas (yay!), mas infelizmente muitos autores frequentemente se esquecem de que falha =/= personagem complexo.

Tada.

O Poder da Espada tem muitos desses clichés, mas o que mais me irritou foi o da nobreza toda não prestar. Principalmente se tratando das mulheres. Aqui, mais uma vez, Abercrombie deu uma de escritor de YA para garotas, só que como é fantasia a gente diz que é para garotos, certo? Todas as damas apresentadas no livro (não foram muitas, mas né) são colocadas pra baixo por usarem roupas bonitas e maquiagem, e todas são consideradas cabeças ocas que não pensam e só se viram com a ajuda de a) um homem b) uma governanta (que obviamente pensa, já que não é rica e nem uma dama). YAzificando: todas as garotas do colégio são patricinhas que só querem saber das fofocas e de roubas de marca, e que vivem se arrumando ao máximo para ir para as aulas. Porque é um crime se maquiar. E gostar de fofoca. Ou de roupa de marca. Sentença de morte se você ousar acompanhar revistas para garotas, porque estas são obviamente fúteis e você consequentemente se torna fútil. Boa mesmo é a Garota Que Não É Como Todas As Outras, que não usa maquiagem e gosta de roupas largas (ela não seria que nem essas garotas que mostram o corpo por aí!), joga video game e lê HQs ou mangás. Lembre-se: ser feminina é um crime e a punição é ser chutada para sempre para o canto das Garotas Fúteis. Cuidado!

Homens também não escapam. Todos da nobreza são egoístas que só pensam em si mesmo (e em dinheiro) e que não fariam nada pelo reino nem em mil anos. O único a ocupar um cargo de importância que é bom e honesto, surpresa!, é de nascimento plebeu! Ha!

눈_눈

(Uma petição para o Abercrombie escrever “”””YA para garotas””””, que tal? Ele com certeza tem talento.)

Quinto, não há personagens femininas dignas (na verdade não há personagens dignos, mas duas mulheres apenas, então prossigamos). A Ardee só serve para (tentar) desenvolver o Jezal. A Ferro quer vingança e está com raiva. E só.

Sexto, que diabos foi aquilo no fim do livro? Era literalmente três parágrafos para um personagem e puf!, mudança de POV, mais três parágrafos para outro personagem e puf!, mudança de POV, e assim por diante. Irritante demais e sem propósito demais. E o clímax do livro foi uma piada, até porque o livro não tinha plot pra ter clímax. Triste.

Concluindo, O Poder da Espada foi um livro arrastado, sem personagens bons, com uma escrita razoável se você ignorar os diálogos, cheio de clichés e com um dos romances mais mimizentos que já li (e eu pensando que isso era exclusividade de YAs). Nada acontece nunca, o plot é inexistente, o clímax é inexistente, a mudança de POVs em vários momentos quebra o ritmo, e enfim, a coisa não presta, na minha opinião. Se quer ler uma ~fantasia realista~, recomendo qualquer outro livro, menos esse.

E depois dessa Bíblia percebi que duas estrelas é demais para O Poder da Espada. 1.5 então. E que venham as pedras (ou não).

Anúncios

8 comentários sobre “Resenha: O Poder da Espada, Joe Abercrombie

  1. Xi… Você não poderia estar mais errada. Eu li toda a trilogia e detestei o final, mas é inegável que o Abercombrie faz parte de um novo movimento da YA. O casal Jezal e Ardee, por exemplo… O desenvolvimento do “romance” deles não tem nada, absolutamente NADA a ver com o que você imaginou.

    Curtir

    • Eu não li a trilogia inteira, logo minha resenha vale apenas para o livro um e no livro um o relacionamento entre os dois é sim como eu falei na MINHA opinião. Você está livre para discordar, mas dizer que eu estou errada é meio incoerente.
      Abercrombie tem livros YA, aliás, mas O Poder da Espada não é um deles. Não há nenhum movimento YA nesse livro, só um pseudo-romance extremamente mal escrito mesmo.

      Curtir

      • Não há incoerência. Apenas MINHA opinião é que o que está escrito no livro um deixa claro que a SUA opinião sobre o relacionamento entre os dois está errada. Minha dedução, lendo outras resenhas suas, é que você se deixou levar pelos seus preconceitos e por isso se enganou redondamente.
        MAS ISSO FOI POSITIVO! Você deu sorte e se salvou de duas baita porcarias, que são as sequências, sobretudo a forma como o Abercombrie resolveu a história. Vou me manter afastado dessas “grandes dicas” do George Martin daqui por diante.
        No mais, obrigado pela correção a respeito do YA.

        Curtir

      • É incoerência sua querer dizer que minha opinião está errada. Você pode discordar dela, mas a minha opinião, baseada apenas nesse livro, apenas é, simples assim. Você não é Deus e nem jesus cristo e nenhuma divindade, logo sua opinião NÃO está acima da minha. Então… melhoremos, né?

        Curtir

      • Vou exemplificar. Ano passado, gastei uns 30 pilas comprando “O Atlas do Conto Universal”, onde dois acadêmicos selecionaram contos do mundo inteiro. Ao final de cada conto, eles escreveram uma pequena crítica, dizendo o que tinham achado do conto.
        Bom, é uma verdadeira pérola do humor involuntário. Talvez, isolados demais na Torre de Marfim onde vive nossa elite pensante, eles tenham encontrado o Olho de Tandhera e alcançado alguma espécie de Visão Além do Alcance de pobres mortais. Mas, de fato, fiquei irritado.
        Numa análise, por exemplo, do (minha opinião!) melhor conto selecionado – “A Humilhação dos Northmore”, que trata-se de uma história sobre a escolha que uma mulher faz e como isso influência o destino de todos os demais personagens do conto, bem… Na crítica logo após o conto, a mulher DESAPARECE! Para quem selecionou o conto, o ponto a destacar parece ser apenas a rivalidade entre os dois cavalheiros.
        Então, não preciso nem ser Deus, nem Jesus Cristo, para achar que essa análise do conto está errada. Também não preciso ser nenhuma divindade para achar que a sua análise sobre o “O Poder da Espada” está, em parte, errada.
        Enfim, é meu direito ter uma opinião sobre o que eu quiser: sobre O Poder da Espada e, até mesmo, sobre a sua análise sobre O Poder da Espada. Isso não faz com que minha opinião seja “A Verdade”, mas isso vale, também, para as suas opiniões. O que estamos fazendo aqui é apenas a partilha de diferentes pontos-de-vista. Dito isto, um brinde a diversidade de opiniões. 😉

        Curtir

      • É aí que você se engana. Você pode /discordar/ da minha análise, mas ela não está errada. Eu posso discordar da sua e achar ela completamente ridícula, por exemplo (não acho, até porque não a conheço por completo), mas eu não posso dizer que ela está errada. Opiniões, a não ser que quando são preconceituosas (e aí passam a ser discurso de ódio), não podem estar erradas justamente por todo mundo ter direito a ter sua própria. Esse é o ponto de uma resenha e é exatamente por isso que resenhas/opiniões são subjetivas. Então sim, você pode discordar sobre minha opinião e achá-la sem noção, ridícula, etc, mas ela não está errada =)

        Curtir

      • Tá bom, hã… Garota-Sem-Nome (ainda não descobri como chamar você). Ainda bem que chegamos a um bom termo no nosso pequeno embate, mas eu juro que prefiro que você diga que eu estou “errado” do que dizer que eu estou sendo “ridículo”. 🙂
        Mas, enfim, nossas opiniões estão bem registradas e acho que podemos seguir adiante. De minha parte, garanto que você ganhou um admirador. Gostei muito do seu empenho em favor da literatura de Fantasia que eu, sendo o sucessor natural de ROBERT E. HOWARD, tanto adoro. 🙂 (sim, sim, eu escrevo meus contos de vez em quando…).
        Vou acompanhar com carinho suas resenhas no novo blog e… Mentira! Vou acompanhar tudo só para achar uma resenha RIDÍCULA e dizer “ahá!”.
        Tá, a mentira está na segunda parte aí de cima. Desejo para você boas leituras e, mais imediatamente, um bom resto de final de semana. Hasta la vista!

        Curtido por 1 pessoa

      • ……..Você leu direito minha resposta? Eu disse, bem explicitamente, que não considero sua opinião ridícula, já que nem a conheço por completo. Mas…… Tudo bem, né…. Bom fim de semana =)

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s